Imagem/Reprodução

Diversos e Livres

Por Ivânia Freitas*

O título por si só já é inspirador. O Documentário da Netflix é um conjunto de lições sabias trazidas pelo Papa Francisco que, na sua humildade habitual, traz reflexões profundas e necessárias para pensarmos a vida.

Focado na relação intergeracional entre idosos e jovens, a partir da afirmação de que “é importante para o futuro da humanidade que os jovens conversem com os velhos”, o documentário reúne histórias de 18 pessoas acima de setentas anos, entrevistadas por jovens (filhos, netos), com narrativas focadas em quatro temas: amor, sonhos, luta e trabalho.

As histórias dessas diferentes pessoas espalhadas pelo mundo, os desafios gigantes pelos quais elas passaram (e passam todos os dias), nos põem diante do espelho fazendo com que nos questionemos: “e se fosse comigo, como eu reagiria”? Quando não fazemos essa pergunta, nos pegamos pensando: “Meu Deus! Eu sou abençoada por não ter vivido essa experiência!” ou “como eles e elas aguentam?”, “De onde vem essa força que nos ergue do chão para continuar seguindo?”

É, sem dúvidas, um roteiro provocador de reflexões e sentimentos que, de algum modo, nos choca, nos inquieta e até nos coloca em confronto com nossos dilemas, que nos faz repensar sobre o que somos, como temos vivido e o mais importante, sobre gratidão, amor e esperança.

A beleza do documentário está na condução sensível que fez as histórias reais serem cruzadas com as reflexões sábias do pontífice que, de modo brincalhão, simples e direto, nos faz refletir profundamente sobre o que é mesmo saber viver.



* Doutora em Educação e Professora da UNEB - Campus VII.