Imagem/YouTube

Semana passada, as mídias noticiaram que o ex-juiz Sérgio Moro desistiu de concorrer à presidência do Brasil. Em 2021, ele foi julgado parcial pelo STF no caso do tríplex do Guarujá, em que Moro condenou, em primeira instância, no âmbito da operação Lava-Jato, o ex-presidente Lula, impedindo-o de concorrer às eleições de 2018. As eleições foram vencidas por Bolsonaro, que nomeou Sérgio Moro ministro da Justiça.

Diante do arrego de Moro, a dúvida era saber para onde iriam parar seus votos. Para isso, seria preciso esperar as próximas pesquisas. As duas primeiras saíram nesta semana: a primeira do Ipespe, via telefone, e a segunda da Quaest, realizada presencialmente. As duas pesquisas mostram: 1- quem mais se beneficiou com a desistência de Moro foi Jair Bolsonaro; 2- Lula segue na dianteira, vencendo todos os candidatos e 3- as eleições serão polarizadas entre Lula e Bolsonaro – a terceira via não decola.

No Ipespe, Lula aparece com 44%, Bolsonaro, 30% e Ciro, 9%. O atual presidente subiu quatro pontos. Na Quaest, Lula tem 45% das intenções de voto, Bolsonaro passou de 26% para 31% e Ciro perdeu um ponto, ficando com 6%. Detalhe: a Quaest aponta vitória de Lula já no primeiro turno.

Podemos concluir, depois da análise desses números, que os votos de Sérgio Moro são, fundamentalmente, de natureza antipetista. Sentimento antipetista que ajudou na eleição de Bolsonaro em 2018. Moro desistiu, seus votos voltaram para sua fonte original. Foi da extrema-direita com diploma para extrema-direita escancaradamente fascistoide. 

Nesse sentido, o sociólogo Marcos Coimbra foi preciso, antes mesmo da divulgação das referidas pesquisas: “os órfãos de Moro irão votar em Bolsonaro, porque detestam Lula e a esquerda. Mesmo os moristas que não gostam de Bolsonaro irão votar nele, porque sempre votaram com a direita e não mudarão agora. A parcela que não for votar em Moro vai anular ou nem vai votar, mas é pouco representativa. O que não farão é votar em Lula”.

Sérgio Moro morreu na praia e parece que agora irá concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados pelo União Brasil. Saiu do Podemos, onde era pré-candidato à presidência, migrou para a UB, mudou de domicílio eleitoral (vai concorrer por São Paulo e não pelo seu “querido” Paraná) e agora busca uma “vaguinha” no Poder Legislativo. Atrás do foro privilegiado? Quem sabe. Fato é que Sérgio Moro é uma verdadeira farsa. Quem diz isso é o jornalista investigativo Joaquim de Carvalho no documentário “A grande farsa: Como Moro enganou o Brasil e ficou rico”, a dica da Aroeira para este final de semana. Fica a dica!